Peak Performance

 

“When we plant a rose seed in the earth, we notice that it is small, but we do not criticize it as "rootless and stemless." We treat it as a seed, giving it the water and nourishment required of a seed. When it first shoots up out of the earth, we don't condemn it as immature and underdeveloped; nor do we criticize the buds for not being open when they appear. We stand in wonder at the process taking place and give the plant the care it needs at each stage of its development. The rose is a rose from the time it is a seed to the time it dies. Within it, at all times, it contains its whole potential. It seems to be constantly in the process of change; yet at each state, at each moment, it is perfectly all right as it is.”

Timothy Gallwey, The Inner Game of Tennis:

The Classic Guide to the Mental Side of Peak Performance

 

Recursos… a palavra recursos é uma palavra comummente utilizada em coaching querendo significar tudo o que possa ser mobilizado por alguém para atingir os seus objetivos. Recursos são conhecimentos, reflexões, informações, capacidades, habilidades, estratégias, experiência acumulada, entre outros.

Ora um dos pressupostos do trabalho de coaching, é o de que todas as pessoas são naturalmente criativas e possuem os recursos necessários para ultrapassar os desafios que a vida, em cada momento, lhes coloca. Acreditamos que não existem pessoas sem recursos – apenas estados emocionais sem recursos, pelo que um dos principais papéis do coach é o de promover, no outro, um nível de consciência e de reflexão superior relativamente àquele que possui no estado atual.

Buscar fora de nós próprios (nos outros, nas coisas) os recursos necessários para enfrentar as questões que em cada momento nos desafiam, é favorecer uma certa incompetência emocional e cognitiva que promove a auto desresponsabilização. Ao invés, a priorização do autoconhecimento, da autorreflexão e da autodescoberta permite identificar e potencializar os nossos já poderosos recursos atuais, promovendo, em simultâneo, a identificação de recursos ainda necessários, relativamente aos quais poderemos trabalhar no sentido de os transformar em benefícios potenciadores dos resultados que pretendemos alcançar.

Tal como a rosa de Gallwey citado no topo deste artigo, cada ser humano é perfeito e tem dentro de si todo o potencial que necessita. Também como a rosa, os seres humanos passam por infindáveis processos de mudança… o grande desafio é, em cada estádio, em cada momento, acreditarmos que nos bastamos nesse caminho. E bastarmo-nos com o que somos, sentirmo-nos “all right” a cada momento, em cada fase, na certeza de que a essa, outra lhe sucederá, isso sim é Peak Performance!

Comments

comments

Similar posts
  • Pssssst TU! Sim TU! Conheces aquela sensação de estares a viver dividido entre o que desejas e o que achas que podes? Como se uma parte de ti quisesse ir, avançar, criar a tua melhor versão e a outra parte te dissesse não dá, é impossível, não és capaz? Conheces a história do bebé elefante que nasce no circo [...]
  • Quanto amaste hoje? Sabes que não estás aí sentada nessa cadeira por acaso, não sabes? Também sabes que não é coincidência estarmos aqui hoje a falar de nós, sim?   Acredito que estamos aqui porque marcámos uma reunião com as nossas almas… para nos lembrarmos de quem somos… de quem verdadeiramente somos.   Sabes? Eu acredito que tudo [...]
  • Walk the Talk Messi! Pois é Messi… sabes que isto de estar no topo requer congruência. Quero acreditar que se tivesses equacionado este desfecho, optarias por nunca ter defraudado o fisco espanhol… afinal são só uns tostõezitos a menos na tua conta bancária, mas em ti, na tua imagem, no respeito que te temos, epá isso já é diferente [...]
  • Estado ‘COACH’ – Your reality i... O coaching generativo, desenvolvido por Stephen Gilligan e Robert Dilts, representa uma nova abordagem de mudança transformacional, que assenta no pressuposto de que a nossa realidade é uma função do nosso estado. Dito de outra forma, a capacidade de alguém criar conscientemente para si, realidades positivas, como por exemplo alinhar-se com a sua missão no [...]
  • Liderança espiritual – Um novo... “A espiritualidade pode aumentar o potencial intuitivo e criativo dos colaboradores, fomentar a honestidade e a confiança entre os membros organizacionais e entre eles e os stakeholders, aumentar o sentido de realização pessoal dos indivíduos, assim como melhorar o empenhamento dos colaboradores na organização e promover o desempenho organizacional.” Krishnakumar e Neck (2002)   O [...]

Sem comentários ainda

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *